sábado, 23 de julho de 2011

Olhos Cor de Café.

O cheiro de açucar queimado invadiu a casa. O mel misturado virou bala. Os nomes conjuntos viraram amor. Nossas datas unidas, tão lindas! Quatro mais quatro é igual a oito e tudo recomeça. 
Eu acendi uma vela que não incendiou minha cozinha. Todos os dias, nessas horas, lembro de você. Você e sua sobrancelha tostada. Meu amor, você é um desastre na cozinha! Ou já aprendeu a não gostar das coisas mal feitas que eu fazia? Era tudo tão simples, mas com tanto carinho. Era assim: meu pra você. E você adorava que assim fosse. Você repetia quantas vezes quisesse, assim como a sobremesa. Você me repetia quantas vezes quisesse. 
Olhos cor de café. Você está perdido em um castelo seu com um labirinto planejado só pra isso: você se perder de você e se deixar levar. Você se esquecer de mim, mas ainda chora, vezenquando, quando a ferida dói mais fundo, quando o amor se revela e limpa as lentes, e esfrega seus olhos e me mostra pra você. Você não enxerga muito bem e, agora, tá ficando cego. E nem é de amor. Nem é. É de tudo aquilo que não deveria ser. Que só é porque faltou eu ali pra segurar a sua mão, pra me atirar aos seus pés, pra me livrar do orgulho e dizer que sim, eu sou sua. Eu sempre fui sua.
Não existe lugar para os corações cansados de não amar. Uma moça me ensinou isso bem de perto. Ela dizia que estava cansada de não conseguir amar ninguém - mas se amava muito. O amor próprio é bonito, macaquinho, mas é tão frio e narciso que de nada adianta. Existe só pra sustentar a si próprio e fingir afeto aos outros pra ter a certeza de que além de si, o próximo e outros dez também podem te amar. Isso é tão feio! O amor próprio é meio doentio.
Ah, olhos cor de café... os meus, tão castanhos avermelhados sentem saudades desses olhos miúdos me olhando de perto. Desses olhos pequenos tentando me decifrar. Me enamorando. Me deixando tonta de tanto querer. E eu te querendo tanto lá no fundo. E não era nada raso, não é raso. 
Outro dia eu estive em uma livraria e vi todos aqueles autores dos quais você me falava e me escrevia poemas deles. E lembrei de alguns textos seus. Eu lembrei das várias cartas digitais. E dos vários suspiros quando via os seus dentões por uma tela. E depois quando eu ligava, pela madrugada, chorando e te implorando carinho. E você me amava pelo telefone e me colocava pra dormir tranquila. 
Eu te amo tanto, macaquinho, que nem a luz do dia me faria acordar de um sonho bonito com você. Nem que eu tivesse a fome de mil homens eu nos acordaria pro café da manhã.


'
"It's safer not to look around. I can't hide my feelings from you now! There's too much love to go around these days... You say I've got another face. That's not a fault of mine these days. I'm honest, brutal and afraid of you."

15 comentários:

Anônimo disse...

esse teu texto soou bem mais alegre e claro, tão lindo quanto os outros. que dom,bianca,que dom.






admiradora #1

Julia Malaguti disse...

Toda linda essa minha Bianca, com tanto amor a transbordar pelas beiradas, e acaba deixando tão pouco para si.

Anônimo disse...

Pedi à Deus que te desse paz, que você estivesse bem. Sempre pedi. Acho que agora a encontrasse.(Sempre gostei de Norah Jones)

Bianca B. disse...

Anônimo... eu realmente encontrei a minha paz. Obrigada à ti, que pedistes por mim.

Anônimo disse...

cadê o seu carinho? me perdi.

Bianca B. disse...

Meu carinho tá aqui. Carinho por quem/ pelo quê exatamente?

Anônimo disse...

Aqui nos seus textos?

Bianca B. disse...

Linda(o), eu tô com todo esse carinho guardado aqui dentro porque tive algumas complicações. Mas estas mesmas acabaram gerando mais ternura dentro de mim. Logo sai um texto bonito por aqui.
Obrigada por sentir falta!

Anônimo disse...

seus textos são lindos, Bianca. queria ser para quem escreves.

Bianca B. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Não foram direcinados á mim. Que Deus cuide deste coração que carregas. Todo amor contém pitadas de loucura. E são destas, que nascem os amores mais bonitos.

Anônimo disse...

contêm

Bianca B. disse...

Ah, essa minha curiosidade se contorcendo pra saber quem é.
Todo amor contem uma porção de pitadas de várias coisas. Que resultado bonito que surge, não é? Que bonito que é sentir e amar.

Anônimo disse...

Sentir. Essa é a palavra chave. Não fique curiosa. Sou apenas um anônimo(a).

Bianca B. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.